A Meliponicultura

"Embora quase todo mundo saiba o que é Apicultura, quase ninguém ouviu falar de Meliponicultura. A Meliponicultura é assim como a Apicultura o nome dado a atividade de criação racional de abelhas, a única diferença está na espécie de abelha. No caso da Meliponicultura são criadas abelhas chamadas meliponíneos, nativas do Brasil e no caso da Apicultura são criadas abelhas de ferrão africanas, introduzidas no Brasil no período colonial. 
Os meliponíneos ou abelhas nativas são abundantes na Amazônia, que é o local do planeta que abriga a maior diversidade delas, mais de cem espécies do tipo!
Cientistas apontam que embora a Apicultura seja uma importante Iniciativa Socioambiental, a Meliponicultura apresenta o maior potencial para conservação da biodiversidade da Amazônia. Isto por que os meliponíneos são os principais agentes polinizadores da maior parte das plantas nativas da Amazônia. Isto significa que com o desmatamento, as queimadas, a poluição dos rios, a transgenia, os agrotóxicos e o aumento das pastagens de boi poderão ocorrer prejuízos não só de extinção de espécies de meliponíneos, mas, de todas as demais espécies de plantas que se reproduzem pelo processo de dispersão de sementes realizado por elas. O que implica em impactos também na agricultura, indústria e comércio.
É preciso compreender que quando se desmata uma área se destrói junto centenas de abelhas que habitam o local e a redução de suas populações afeta a manutenção dos ecossistemas, às vezes endêmicos, já que estas abelhas deixam de reproduzir as plantas. Einstein, um dos mais grandiosos gênios da humanidade, disse: “Se eliminarmos todas as abelhas, o ser humano durará mais poucos meses na Terra”
Outro diferencial da Meliponicultura é que ela pode ser exercida por jovens, mulheres e idosos. A atividade não exige força física e também não apresenta nenhum risco de acidentes ou ataques. Como não possuem ferrão, os meliponíneos são fáceis de manejar.
Além disso, a Meliponicultura é uma atividade perfeita para a agricultura familiar, fornece alimento e remédio com custos baixos ou compatíveis e pode se tornar uma fonte de renda para as comunidades da Amazônia, se elas conseguirem produzir mel suficiente para venda. Os meliponíneos também produzem: pólen, extrato de própolis, cerume, apitoxina e outros.
Se por um lado é ruim que os meliponíneos produzam mel em menor quantidade, por outro, a pouca oferta, torna o litro do mel nativo até 15 vezes mais caro do que o mel tradicional. Dentre as espécies de abelha a nativa Jataí é a que produz mel com mais antibióticos e propriedades medicinais. Apesar disso, a colmeia da nativa Uruçu é a mais cara.
O sabor delicioso e exótico do mel produzido pelos meliponíneos também contribuem para que seja mais caro. Comparado com o mel tradicional ele é bem menos doce, fluido (com maior umidade) e um pouco ácido."

Nenhum comentário:

Postar um comentário